Livre estava para voar
Sobre os altos morros
Sobre os densos ares
Como um pássaro a andar.
.
Livre nas alturas
Cantando no ritmo morto
Das trepadeiras
Ventania
.
Poros a abrir, portanto o ar
A castigar sua pele macia
Degustar da brisa quente
Um alívio de vida a soprar
.
Levitar o livre
E o livre apreciar
Matando o tempo livre
Para o tempo não matar.

2 comentários:

  1. a última estrofe ficou do cacetão.
    não disse que c voltava? :D
    olhe, de quem são essas pinturas ai?

    ResponderExcluir